no site na web Voltar ao inícioHomePesquisarPesquisarMapa do siteMapa do Site
Curso para Treinador de Futebol dias 22 de dezembro em SP

SAMU DEIXA DE SER IMPLANTADO EM CIDADES DO INTERIOR POR FALTA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL

OSVALDO CRUZ - O município de Osvaldo Cruz e mais nove cidades da região devolveram ambulâncias repassadas pelo Governo Federal para implantação do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Motivo: falta de dinheiro para administrar o programa. Além de Osvaldo Cruz, Adamantina, Lucélia, Parapuã, Rinópolis, Mariápolis, Inúbia Paulista, Salmourão, Sagres, além de Tupã e Pacaembu tomaram a decisão depois que o Ministério Público Federal cobrou das prefeituras o porquê os seis veículos recebidos em 2010 ainda não haviam começado a operar. De acordo com o assessor jurídico de Pacaembu, Alex Fernando Rafael, os seis veículos já estão em Tatuí (SP), e o prazo final para devolução era nesta quarta-feira (20). "Foi instaurado um inquérito civil para apurar a não implantação do serviço, foi quando os municípios acabaram verificando que não era possível a implantação devido ao custo”, explicou Rafael. Quando as administrações municipais inciaram os projetos em 2010, de acordo com o assessor jurídico, havia a possibilidade existência de parcerias entre o governo federal, junto com auxílio financeiro do governo estadual, mas não foi o que aconteceu. “Quando foi para por em prática a implantação, vimos que os valores ficariam por conta dos municípios. Só em Pacaembu, seriam gastos mensalmente em torno de R$ 30 mil por mês, uma quantia muito alta”, ressaltou. O Samu não ficaria responsável por todos os atendimentos do município, como explicou Rafael. “Não seria todo o acidente que seria encaminhado ao Samu. Após o chamado, seria feito um estudo para saber se o serviço realizaria atendimento ou o 193 [o Corpo de Bombeiros]. Por isso, era uma quantia muito grande para ser gasta, sendo que há ambulâncias suficientes nos municípios”, alegou. Outro ponto que levou à desistência do serviço, é que algumas cidades passaram a desconsiderar a implantação, o que aumentaria ainda mais o valor mensal a ser gasto por prefeitura. Desde quando as ambulâncias foram recebidas, elas permaneceram guardadas e sem uso. UPAs Com a devolução das ambulâncias do Samu, outra novela começa: o que serão dos prédios das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)? Osvaldo Cruz está entre as cidades em que o Samu seria sediado, a exemplo de Adamantina e Tupã. O município foi contemplado com uma verba de quase R$ 1,5 milhão para a construção da Unidade de Pronto Atendimento. A obra está em fase final de conclusão em terreno próximo da antiga Fepasa, mas ainda sem destinação. O papel da UPA é de suporte para o Samu. Para lá seriam encaminhados pacientes em estado de urgência e emergência. Depois de estabilizados o Samu os encaminharia para hospitais. Pelo projeto original, o Samu teria sua central de regulação (central de controle que decide para que unidade de saúde o paciente atendido será encaminhado, de acordo com o quadro clínico e a disponibilidade de vagas na rede hospitalar ligada do projeto) em Tupã. Em Adamantina e Tupã funcionariam duas unidades de suporte avançado e outras seis unidades de suporte básico (USBs) seriam responsáveis pelo atendimento inicial, uma delas em Osvaldo Cruz. A USB de Adamantina atenderia Adamantina e Mariápolis; a de Pacaembu, Pacaembu e Flórida Paulista; a de Lucélia, Lucélia e Pracinha; a de Osvaldo Cruz atenderá além de Osvaldo Cruz, Salmourão, Inúbia Paulista e Sagres; a de Parapuã, também atenderia Iacri, Bastos e Rinópolis; e a de UBS de Tupã serviria também para atendimentos de primeiros socorros em Arco-Íris, Queiroz e Herculândia. FONTE: Portal ocnet.com.br /Osvaldo Cruz-SP Notícias relacionadas 21/08/2014 - Anvisa suspende seis medicamentos: saiba quais são

 
 
Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 
JORNAL SÃO PAULO CENTER
Telefones: (11) 4653-3681 ou 9-9298-9006 - WhatsApp (11) 9-5847-9889 tim